O jornalismo brasileiro precisa continuar sendo livre

O jornalismo brasileiro vem sofrendo uma companha de desconstrução de sua função que precisa ser combatida.
Algumas fumaças estão se acumulando e há um sério de risco de termos um incêndio em pouco tempo e isso precisa ser evitado pelas entidades de classe, como OAB, FENAJ, dentre outras.

Nesta semana nos deparamos com a estranha retirada do ar do jornal do SBT e hoje leio no site Congresso em Foco, que o grupo Globo e Folha de São Paulo não irão mais cobrir o Alvorada, pois a segurança dos profissionais da comunicação foi reduzida e há agressões verbais e quase físicas contras os jornalistas, diariamente.

Entendo que a mídia nem sempre agrada e eu como advogado e vereador, vivo as duas faces da moeda, mas em nenhum momento da minha história como profissional do direito ou de legislador vi a imprensa como minha inimiga.

O grande problema é que a mídia e suas ramificações possuem o dom de enfiar dedos em feridas ou abrir ferimentos já cicatrizados. Nos dois casos ela atua como agente informador e também provocador e lógico, caso esteja agindo erroneamente, deve ser punida no rigor da lei.

O que é inconcebível é a ideia, ventilada e a cada dia e com mais adeptos, de tentar calar a imprensa, seja ela Globo, SBT, Band, Folha de São Paulo, Record, CNN, dentre outras. Há indivíduos que desejam pautar a imprensa e isso não vai acontecer.

Quanto mais meios de comunicação livres, nos manteremos distantes das amarras maléficas da desinformação. Com o advento da internet as coisas se acirraram, pois o imediatismo dificultou muito a vida dos corruptos.

Não restam dúvidas de que o quesito econômico também precisa ser levado em conta. Os meios de comunicação não vivem só de bons repórteres. Eles precisam de orçamento e se devido a sua escassez, algum deles deslizar a matéria para o lado personalista, deve ser cobrada no âmbito judicial.

Hoje, não é mais fácil esconder o dinheiro roubado, a nomeação armada, o caixa dois, a improbidade, o preconceito, o nepotismo, o racismo, o feminicídio, as ideologias medíocres e as armações para queimar a Constituição Federal.
As pessoas precisam entender que há possibilidades de escolhermos quais os canais que nos interessam mais, mas não há hipótese alguma de calarmos o jornalismo que não nos interessa. Isso se chama golpe!

Alguns brasileiros estão precisando viajar para países ditatoriais onde só é consumido o que os governos noticiam, qualquer coisa diferente disso pode gerar punições severas e até morte.

O Brasil é livre e precisa continuar assim, pois quando ouço ou leio um jovem, completamente desconectado da história do país, defender a Ditadura e o fechamento do STF, minha vista escurece e tenho vontade de salvar essa pessoa e pedir perdão por ela, pois não restam dúvidas de que ela não sabe o que fala.

A liberdade de um país está condicionada a uma imprensa livre que não é sinônimo de irresponsável. Para os excessos temos leis vigentes que protegem a moral daqueles lesados.

Espero que a nossa vigilância aumente e que o jornalismo brasileiro seja honrado e aos descontentes só restam dois caminhos: aceitar que a imprensa nunca vai deixar de existir ou usar a justiça para reparar os danos causados por ela, desde que provados.

Deixo aqui a minha solidariedade a todos os profissionais da imprensa brasileira que enfrentam hoje, além da pandemia, uma esquizofrenia violenta de seguimentos que não aceitam que as cortinas se abrem e se fecham diariamente para todos, sejam eles autoridades públicas ou pessoas comuns.

Para a imprensa, o fato tem que ser noticiado, doa a quem doer. Caso esteja doendo, mais do que o normal, em alguns, sinal de que há muita coisa ainda para ser noticiada.

LEIS CLÁUDIO ANDRADE • 1 – Lei nº 8.750, de 11 de maio de 2017, que dispõe sobre a obrigatoriedade de ser franqueado ao consumidor o acesso à cozinha e outras dependências de restaurantes, hotéis e similares no Município de Campos dos Goytacazes. • 2 – Lei nº 8.760, de 29 de junho de 2017, que dispõe sobre a obrigatoriedade de hotéis e estabelecimentos similares oferecerem desjejum apropriado a diabéticos e celíacos no Município de Campos dos Goytacazes. • 3 – Lei nº 8.775, de 20 de outubro de 2017, que estabelece uma política de Combate à Corrupção e a impunidade de agentes públicos no âmbito Municipal e cria o Dia Municipal de Combate à Corrupção. • 4 – Lei nº 8.788, de 30 de outubro de 2017, que Institui no Calendário de Eventos de Campos dos Goytacazes, a Semana de Conscientização Sobre a Alergia Alimentar, realizada anualmente, na terceira semana do mês de Maio. • 5 – Lei nº 8.806, de 21 de dezembro de 2017, que dispõe sobre a proibição do uso, no Município de Campos de produtos, materiais ou artefatos que contenham quaisquer tipo de amianto ou outros minerais que, acidentalmente, tenham fibras na sua composição. • 6 – Lei nº 8.808, de 21 de dezembro de 2017, que dispõe sobre a Política de Valorização à Vida e cria a Semana de Prevenção ao Suicídio. • 7 – Lei nº 8.835, de 22 de maio de 2018, que dispõe sobre atendimento prioritário para pessoas que realizam tratamento de quimioterapia, radioterapia, hemodiálise ou utilizem bolsa de colostomia, no Município de Campos dos Goytacazes. • 8 – Lei nº 8.838, de 23 de maio de 2018, que dispõe sobre a utilização de mensagens educativas informando o uso indevido de álcool, entorpecentes e de cigarros em shows, eventos culturais, esportivos e similares que sejam voltados para o público infanto-juvenil. • 9 – Lei nº 8.856, de 24 de outubro de 2018, que cria a medalha de mérito evangélico. • 10 – Lei nº 8.864, de 22 de novembro de 2018, que dispõe sobre a obrigatoriedade da apresentação da caderneta de vacinação da criança e do adolescente no ato da matrícula e da rematrícula escolar no município de Campos dos Goytacazes • 11 – Lei nº 8.883, de 17 de dezembro de 2018, que proíbe informes de qualquer natureza em estacionamentos ou similares com dizeres que isentem estabelecimentos comerciais, supermercados, shoppings ou congêneres da responsabilidade por danos materiais e/ou objetos deixados no interior do veículo, no Município de Campos dos Goytacazes e dá outras providências. • 12 – Lei nº 8.904, de 09 de maio de 2019, que dispõe sobre a obrigatoriedade dos estabelecimentos comerciais e financeiros no âmbito do Município de Campos dos Goytacazes oferecer atendimento diferenciado para pessoas com deficiência auditiva e dá outras providências. • 13 – Lei nº 8.945, de 24 de outubro de 2019, que institui a Semana de Conscientização e Prevenção à Alienação Parental e dá outras providências.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.