Venda do Futuro nunca será paga

O município de Campos dos Goytacazes passa por grave crise financeira e quanto a isso não restam dúvidas. Com exceção daqueles que fazem política rasteira e sem qualquer fundamento, os que analisam friamente os números sabem que o legado deixado pelos ex-governadores é pavoroso.

Para os que não sabem e para aqueles que fingem desconhecer o primeiro empréstimo ocorreu em 2014, quando Rosinha pegou emprestado 304.060.246,84 milhões e pagou, somente de juros, pasmem, R$ 54 milhões. Ou seja, nos cofres da PMCG entraram apenas R$ 250 milhões.

O segundo empréstimo ocorreu em 2015, no valor de R$ 308.791.113,78 milhões, chegando aos cofres municipais, apenas R$ 200,8 milhões, pagando de juros, aproximadamente R$ 109 milhões de reais.

O terceiro e último endividamento proporcionado pelo grupo que governou o município por oito anos foi de R$ 562 milhões, sendo que Campos dos Goytacazes recebeu apenas 367 milhões. Nesse caso, a diferença, de 195 milhões aproximadamente ficou para pagar os débitos anteriores, segundo eles disseram.

Diante dados, se o governo Rafael noticia que paga 10% de juros, mensalmente, a PMCG desembolsa, todo o mês, aproximadamente R$ 36 milhões de reais, um pouco para mais ou para menos, que são direcionados na hora para a Caixa Econômica Federal.

Se analisarmos em termos de juros e o que foi, supostamente deixado para pagar débitos anteriores, desde o primeiro empréstimo feito por Rosinha, a Prefeitura de Campos já perdeu R$ 358 milhões de reais aproximadamente. Detalhe: não estou incluindo nesse cálculo aproximado, as outras rubricas que são utilizadas para efeitos de cálculos, além dos juros citados acima.

Diante dessa abordagem, fica nítido que em hipótese alguma, a ‘venda do futuro’ será paga. O próximo prefeito de Campos, que irá governar a cidade em 2021, continuará pagando juros altíssimos, com receita dos royalties oscilando para baixo e com arrecadação própria insuficiente.

Nesse contexto, quais os motivos que ainda fazem os pré-candidatos a prefeito de Campos não apresentarem uma solução sequer para que nosso município não fique cada vez mais afundado na crise? Onde estão as soluções dos economistas de plantão, que analisam o orçamento municipal, mas são incapazes de realizarem um estudo profundo sobre os valores dos empréstimos e também, para onde eles foram direcionados na prática, realizando uma planilha de custo e benefício do valor aportado?

A solução para o nosso município é voltar a ter crédito fora dos nossos limites, trabalhar para que as empresas privadas acreditem em nosso potencial e aqui se instalem, pois dessa forma, a abertura de novos postos de trabalho irão gerar mais CTPSs assinadas e isso, na prática quer dizer mais gente independente, ou seja, estudando, comendo todos os dias, cuidando da saúde e complementando com laser as suas horas de descanso. Isso significa: DIGNIDADE!

Quem quer ser prefeito mesmo?